A PEDAGOGIA DE DEUS EM TEMPOS DE CRISE

Por Marco Elias


"A ti levanto os meus olhos, ó tu que habitas nos céus. Assim como os olhos dos servos atentam para as mãos dos seus senhores, e os olhos da serva para as mãos de sua senhora, assim os nossos olhos atentam para o SENHOR nosso Deus, até que tenha piedade de nós" - Salmos 123:1-2

A pedagogia de Deus encaminha os seus servos para a vida eterna. A vida aqui é frágil e passageira, por isto precisamos saber para quem e para onde estamos olhando, isto é, onde está a nossa confiança. O salmista ergueu os seus olhos e contemplou a imensidão dos céus, lembrou-se daquele que criou e tem o controle de tudo, como também fixou os tempos e as estações. Ele certamente lembrou-se de quem era e qual era a sua condição perante Deus: Um simples servo e não um eleito com direito a tudo. Ele apontou humildemente as características daqueles que esperam a benevolência das mãos do seu Senhor.

Diante dos últimos acontecimentos e das incertezas que envolvem o mundo atual, o nosso olhar continua voltado para aquele a quem servimos: Jesus Cristo, o nosso salvador. Não podemos ignorar os sentimentos da sociedade atual, quanto ao futuro incerto da humanidade, como também não podemos deixar de apresentar as razões da nossa esperança que está mais viva do que nunca, pois ela está em Cristo (o que nos propomos a fazer nas próximas linhas).

Há quem diga que estamos diante de uma arma biológica. Outros dizem que estamos no meio de uma conspiração da China contra o ocidente. Alguns estão falando que os acontecimentos atuais são o resultado das ações e das interferências do homem na natureza. Há quem diga que se trata de um juízo ou uma punição divina contra o mundo atual e a sua agenda destruidora dos valores estabelecidos por Deus. Diante dos fatos, não importa se o leitor é religioso ou se é um descrente, há uma verdade incontestável para todos: O mundo parou e cada pessoa está buscando amparo na família e nos amigos mais próximos...

A família cujos valores vem sendo destruídos pela agenda progressista da ONU, e por governos a ela alinhados, tornou-se um porto seguro dos necessitados. O ativismo político e anti-religioso tem outras preocupações e outros medos no momento. Os sistemas religiosos também pararam, os shows gospel pararam, os pregadores que cobram altas quantias para pregar a palavra de Deus estão calados, os cantores que recebiam os aplausos no culto que pertencia a Cristo também estão calados. Agora eu e você, querido irmão, podemos nos ajoelhar diante do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, sem interferências religiosas, fazendo uso do sacerdócio universal dos crentes, embora do fundo do nosso coração preferiríamos estar ao lado de todos os nossos queridos irmãos em Cristo.  Sejamos humildes ao nos ajoelharmos diante do Senhor, pois não estamos alegres em vermos vários templos fechados, mas não podemos ignorar aquilo que muitos líderes irresponsáveis fizeram deles. Que sejamos sábios em pedir a Deus que nos conceda a benção do arrependimento para a vida. Roguemos a Deus que a nossa nação se levante arrependida para o louvor da sua glória e que a sua igreja se erga comprometida com o reino de Cristo e não com os sistemas religiosos. Que sejamos discípulos de Cristo em nossas casas, ao desejarmos a paz de nosso Senhor Jesus Cristo aos nossos vizinhos, mesmo olhando de longe pela janela.

Pela graça de Deus, a fé tem estado em evidencia nos corações daqueles que proclamam verdadeiramente o nome de Cristo, daqueles que atribuem a glória, tão somente a ELE. Há lares cristãos usando o sangue do cordeiro nas vergas das portas e janelas (linguajar bíblico entendido apenas por quem vive isto)... Como cremos que a Bíblia Sagrada é a palavra de Deus, cremos também no seguinte texto: "E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito" - Romanos 8:28 - Agora muitos pais outrora bastante atarefados estão com tempo suficiente para assistirem às suas famílias, cuidarem de seus filhos e certamente entenderão os motivos pelos quais Deus criou primeiro a família, para depois criar a igreja e não o contrário. Quando os homens invertem os valores, o Senhor Deus, que move o motor da história permite que o cenário se mude repentinamente para cumprir a sua palavra e para reeducar o seu povo.

Glória ao Pai, Glória ao Filho e Glória ao Espírito Santo!

RESPOSTA AO LEITOR - Nº 9 - FILOSOFIA E TEOLOGIA


PERGUNTA DO LEITOR
Por quais motivos o estudo da teologia e da filosofia são marginalizados em algumas denominações evangélicas brasileiras? Existe alguma base bíblica para aceitar ou para rejeitar a teologia e a filosofia?

RESPOSTA DO PORTAL DOUTRINA FIEL
Primeiro precisamos entender o que é teologia e o que é filosofia. Depois de entendermos os conceitos buscaremos a base bíblica para aceitação ou rejeição destas disciplinas e finalmente pontuaremos uma conclusão sobre o assunto.

1 - O QUE É FILOSOFIA E O QUE É TEOLOGIA?

No Google Dicionário, em sua versão na língua portuguesa, aparece o seguinte:

TEOLOGIA - 1. ciência ou estudo que se ocupa de Deus, de sua natureza e seus atributos e de suas relações com o homem e com o universo. 2. conjunto dos princípios de uma religião; doutrina.
Se levarmos em conta o enunciado acima, seremos obrigados a confessar que todo servo de Deus é teólogo por obrigação e por natureza. Aquilo que está escrito é simplesmente aquilo que fazemos nos cultos e nas EBDs.

FILOSOFIA - 1. amor pela sabedoria, experimentado apenas pelo ser humano consciente de sua própria ignorância [Segundo autores clássicos, sentido original do termo, atribuído ao filósofo grego Pitágoras (sVI a.C.).]. 2. no platonismo, investigação da dimensão essencial e ontológica do mundo real, ultrapassando a opinião irrefletida do senso comum que se mantém cativa da realidade empírica e das aparências sensíveis.
Se levarmos em conta o enunciado acima e principalmente o sentido número 1 do texto, seremos obrigados a admitir que a Bíblia Sagrada defende a filosofia cujo significado é amor pela sabedoria (Provérbios 29:3 / 4:5-11 / 12:1). Muitos crentes fazem uso da "ignorância pretensiosa" ou "ignorância dissimulada" para aquilo que lhes convém citando o texto de Deuteronômio 29:29, para dizer que não podem se explicar, quando seus argumentos religiosos caem por terra - mas a verdade é que o texto diz também que as coisas reveladas são para os filhos dos homens - Uma das coisas que Deus revelou aos homens foi o seu caráter imaculado que muitos religiosos tem ousado manipular filosoficamente.

Se levarmos em conta o enunciado numero 2, encontraremos em alguns grupos evangélicos "doutrinas" que não emergem da Bíblia Sagrada. São apenas "filosofias" de crentes que vivem a investigação "da dimensão essencial" (Vide texto acima, extraído do dicionário). Atribua a estes ensinos o nome que você quiser, mas pelo amor de nosso Senhor e salvador Jesus Cristo, não chame de "doutrina bíblica" aquilo que não está contido no texto bíblico inspirado! - Isto é muito sério, nenhum anjo celestial e nenhum pregador que anda em carne e osso nesta terra tem o direito de fazer este tipo de coisa!

A verdade é que no meio do povo de Deus existe filosofia boa e filosofia ruim, teologia boa e teologia venenosa.

2 - A REALIDADE DO EVANGELICALISMO BRASILEIRO

Em três daquelas que foram consideradas as dez maiores denominações evangélicas brasileiras no ano de 2010, segundo o senso do IBGE (Confira aqui) a teologia sistemática e a filosofia são repudiadas de forma veemente. Há estudiosos, militantes cristãos e até teólogos (que ironia!) que também pregam contra os estudos teológicos sistemáticos. Muitos dizem que a teologia esfria o crente e traz em seu bojo filosofias perniciosas para o meio eclesiástico. Isto é verdade, se a teologia for do tipo venenosa. Outros rebatem o argumento anterior dizendo que estudar teologia não esfria o crente, mas acaba com as heresias. Isto também será verdade, se o teólogo não resolver pisotear o texto sagrado, afirmando que Deus predestinou os pecados dos homens (heresia que mancha a reputação de Deus) e ainda tentar substituir a ação do Espírito (que sopra onde quer) por suas vãs filosofias (Vide Mateus 23:13)...

A resposta correta para o problema da teologia e da filosofia é o equilíbrio e a sensatez (dois elementos que estão ausentes em muitos púlpitos). Onde não existe sensatez e equilíbrio sobra outro ingrediente chamado coronelismo. A solução seria uma "teologia confessional e devocional" com boa ortodoxia e regada com o óleo do Espírito Santo. O resultado será o cristão obediente às sagradas escrituras, em pleno uso dos meios de graça, orientado primeiramente pela palavra e depois por dons espirituais e sujeito à vontade do Espírito Santo. Não existe teologia melhor que esta! - Ela não tem sido alcançada e vivenciada por que a "moda teológica" deste século corrupto é ensinar aos crentes que Deus está calado (não fala mais)... A verdade é que Deus não viola corações e que seu Espírito Santo não contenderá com o homem. Ele é soberano, tem caráter e não viola corações...

3 - ALGUNS MOTIVOS PELOS QUAIS ALGUNS MINISTROS FIEIS A DEUS PASSARAM A ODIAR A SUA ANTIGA VERTENTE TEOLÓGICA E AS OUTRAS TAMBÉM...

Geralmente, quando um ministro do evangelho abandona a vertente determinista / cessacionista, depois de alcançar uma experiência real com os dons espirituais, ele passa a repudiar tudo quanto o impedia de obter aquelas experiências notáveis. Toda regra possui exceções, mas o sujeito que se desatar daquelas amarras poderá tornar-se um inimigo ferrenho de todas as vertentes teológicas e principalmente daquela que professava, principalmente se ele a considerava a "melhor e mais bíblica de todas as teologias"O caro leitor (assim como eu) deve conhecer ao menos meia dúzia de casos reais em que isto aconteceu.

4 - ALGUNS MOTIVOS PELOS QUAIS ALGUNS MINISTROS FIEIS A DEUS PASSARAM A DESCONSTRUIR A SUA ANTIGA TEOLOGIA E A CONSTRUIR OUTRA...

Confira o que aconteceu com Jack Deere (Clique aqui para ver), um renomado e preparado teólogo (outrora cessacionista) que agora tem atropelado o cessacionismo com sua literatura mundo afora e que por isto "mereceu" um golpe do cessacionismo brasileiro, que lutou ferozmente para sabotar e retirar seu livro das lojas brasileiras (Clique aqui para ver). Quiseram evitar que os crentes bereanos brasileiros examinassem o "perigoso" conteúdo de Jack Deere.

Outro escritor que teve uma experiência semelhante foi Mike Bickle (Clique aqui para ver). O número de cessacinistas que decidem abandonar certos preconceitos religiosos, após os joelhos dobrados (com muitas horas de oração e jejum) tem sido bem maior do que o divulgado.

5 - ARGUMENTOS TEOLÓGICOS "FURADOS" PELA "REALIDADE NUA E CRUA" DA VIDA ECLESIÁSTICA

A observação empírica, direta e objetiva de alguns fatos relacionados ao modo de vida dos grupos evangélicos nos últimos trinta anos tem quebrado certos paradigmas teológicos (Confira aqui para ver) e a confiança em alguns argumentos que se proclamavam "inerrantes" (Confira aqui para ver). Uma leitura minuciosa do texto sagrado e a correta observação do caráter de Deus revelado por ELE mesmo nas escrituras, tem desarticulado ou atenuado muitos "venenos teológicos" que consumidos pelo povo de Deus (Confira aqui para ver).


6 - PONTOS NOBRES E EXCELENTES NA TEOLOGIA REFORMADA E NA TEOLOGIA PENTECOSTAL

Existem pontos absolutamente positivos, nobres e excelentes, tanto na teologia reformada, quanto na teologia pentecostal. O grave erro dos teólogos é tentar "encaixotar" a personalidade de Deus na caixinha dos argumentos humanos, enquanto se desconsidera aquilo que ELE falou sobre si mesmo, em sua apresentação aos homens, por meio da Bíblia Sagrada.

7 - O EQUÍVOCO RELIGIOSO DE PREGAR CONTRA A TEOLOGIA E CONTRA A FILOSOFIA, DE FORMA GENERALIZADA...

Um dos graves equívocos cometidos por alguns ministros evangélicos é a pregação contra a teologia e contra a filosofia, enquanto se utiliza os argumentos de determinada vertente teológica no púlpito (Clique aqui para ver). Como se isto não bastasse os mesmos ministros costumam defender algumas doutrinas criadas pelos filósofos da patrística e ainda "escondem" a Bíblia Sagrada da membresia de suas igrejas (Clique aqui para ver).

Paulo o apóstolo de Cristo fazia uso da filosofia grega em suas pregações e prestou esclarecimentos para a igreja sobre os motivos pelos quais agia assim (Clique aqui para ver).

Cabe mencionar que nos países comunistas ou de governos autoritários, campeões de perseguição contra o evangelho, a teologia e a filosofia são terminantemente proibidas, além do uso da Bíblia Sagrada. Não precisamos pensar muito para entendermos os motivos reais da proibição. Ter igrejas com proibições semelhantes às regras do partido comunista da Coreia do Norte ou da China é o fim da linha.

A doutrina da trindade, a doutrina do pecado original e a velha questão da natureza da fé e da razão (que gerou três diferentes vertentes filosóficas - das quais cada crente participa, ainda que de forma inconsciente) foram organizadas por filósofos e teólogos pós igreja primitiva. Paulo, Pedro e João nunca usaram a palavra "trindade", uma vez que esta palavra não existia no tempo deles, mas somos gratos a Deus por ele ter usado um teólogo (Tertuliano) para criar esta palavra para facilitar o entendimento da igreja no tocante a este assunto tão nobre. Paulo, Pedro e João não sabiam que a razão era contrária à revelação. Na pregação deles a razão andava juntinha com a revelação (Lucas 10:27 - Romanos 12:1 - I Pedro 3:15 - I João 4:1 - Atos 17:11).

Na execução da reforma protestante, Deus novamente usou teólogos e filósofos. Se alguns ministros da atualidade estivessem lá, certamente protestariam contra Deus, por ter ELE se utilizado deste tipo de gente. O canôn bíblico também foi organizado e preparado por teólogos e filósofos cristãos. Não se assuste e nem fuja... A Bíblia Sagrada que você usa no culto foi preparada por teólogos e filósofos tementes a Deus. Imagino que Deus teve bons motivos para ter usado este "tipo de gente", do contrário ele poderia ter usado lenhadores despreparados ou camponeses analfabetos, isto é, se Deus pensasse e agisse como alguns homens que hoje ocupam alguns púlpitos evangélicos brasileiros. Deus usa quem ELE quiser (até o analfabeto), mas para aquele ato sublime ELE quis teólogos e filósofos. Isto é Soberania!

Quem não gosta de teologia ou de filosofia (cada servo de Deus tem o direito de não gostar) tem duas opções, na primeira opção pode respeitar as diferenças existentes entre os membros do corpo de Cristo ou na segunda opção ele pode jogar a sua Bíblia Sagrada no mato e voltar para a igreja católica!

AOS MESTRES CALVINISTAS (CESSACIONISTAS) COM CARINHO!

Por Marco Elias

Como no mundo determinista a crença nos mestres humanos é maior do que a crença no próprio Senhor Jesus e nas palavras dos seus discípulos, e tendo em vista que alguns estudos sistemáticos da referida vertente teológica citam mais o nome dos mestres deterministas do que o nome glorioso de Jesus, algumas vezes torna-se necessário transcrever para o papel os "lampejos de luz" ou as "reações certeiras e equilibradas" (biblicamente falando) de certos ministros daquela vertente, quando estes não usam de preconceitos religiosos, subterfúgios ateístas e muito menos de desonestidade intelectual.

Alguns cessacionistas (não são todos) possuem a mania de afirmar que os crentes que fazem uso de certos dons estariam fazendo teatro, pois em tese eles não existiriam na atualidade. Esta crença é semelhante à doutrina da expiação limitada, que entra em choque frontal com as escrituras, inclusive em I João2:2. Deus também teria convidado a todos os homens para a salvação (segundo a bíblia sagrada), mas ELE a teria dado apenas a um grupo pequeno de pessoas (segundo as teorias deterministas). Esta prática de isolar textos bíblicos, para tentar (pois não é possível) aniquilar outras verdades bíblicas não funciona para o cristão que examina as escrituras, a história e os fatos reais da vida cristã em comunhão com o Deus vivo que ainda fala na atualidade.

Sendo assim torna-se necessário expor o conselho de alguns mestres desta vertente, os quais farão aqui o mesmo papel que Gamaliel exerceu perante os fariseus, ao aconselhá-los a deixarem os apóstolos em paz (Vide Atos 5:34-39) - Que entrem em cena os aclamados ministros protestantes Vincent Cheung e John Piper, dois grandes expoentes do calvinismo hoje, para defenderem a honra da obra que o Espírito Santo ainda faz entre os homens, independente de placas denominacionais.

Vincent Cheung afirma que a prática do cessacionismo é um modo de vida em rebelião contra Deus. (►Confira aqui - Texto em português) - (► Confira aqui a postagem original em inglês). O teólogo calvinista defende o uso do dom de línguas no meio protestante reformado, como nos demais (► Confira aqui - Texto em Inglês - postagem original).

Abaixo vejamos a tradução de um pequeno trecho do discurso de Vincent Cheung que sai distribuindo "puxões de orelhas" em seus contemporâneos: "Para me mostrar que eu sou o errado, eu exigiria que você produzisse um argumento bíblico que seja tão claro, poderoso, perfeito e infalível quanto o que diz: "Não proíba falar em línguas" (...) Claro, eu não esperava que MacArthur se envergonhasse da verdade!"

John Pipper também deixou o seu "recado estiloso" para uma geração de crentes que duvidam da continuidade daquilo que Deus ainda faz com maestria nos tempos hodiernos. Confira um trecho da pregação traduzida: “Eu quero enfatizar aqui, entretanto, que eu não rejeito a validade do dom de línguas para os nossos dias. É errado insistir que as línguas sejam parte necessária do batismo do Espírito; não é errado insistir que as línguas sejam parte possível da experiência hoje. Quando estava no ensino médio eu escutava o Sr. DeHaan no rádio. Certa manhã, de pé no meu quarto, eu o escutei tentando argumentar a partir do Novo Testamento que os então chamados dons de sinais, como línguas, milagres e cura, foram destinados por Deus para chegar ao fim no encerramento da era apostólica, de maneira que os dons não mais são válidos para hoje. E tudo que consigo me lembrar dizer comigo mesmo naquela tenra idade foi: “Sr. DeHaan, tais argumentos não são válidos. Tudo o que você pode ser capaz de mostrar é que se não há línguas hoje, é porque há possíveis explicações para isso. Mas nada do que você disse prova que Deus planejou que estes dons cessassem antes que esta era acabasse”. E agora, após 20 anos de estudo bíblico e amizade com cristãos carismáticos (pentecostais), eu digo com mais segurança ainda: Não rejeitemos ou desprezemos nenhum dos dons de Deus, incluindo as línguas” (► Confira a matéria original).

A pergunta feita por Cristo "Quando o filho do homem vier encontrará fé na terra?" parece prever que a semente da incredulidade seria semeada pelos mestres da igreja moderna. Se o texto bíblico for tomado em sua literalidade (como querem os calvinistas - cessacionistas) torna-se necessário avisar-lhes que chegou o tempo profetizado por Paulo, no qual os grandes mestres humanistas iriam requerer o lugar que pertence somente ao Espírito Santo e se tornariam senhores da igreja: "Porquanto, chegará o tempo em que não suportarão o santo ensino; ao contrário, sentindo coceira nos ouvidos, reunirão mestres para si mesmos, de acordo com suas próprias vontades" - II Timóteo 4:3

Pela graça de Deus ainda existe um povo (em diferentes arraiais) sendo tocado pelos fulgores da glória eterna e pelo sopro do Espírito Santo (ELE sopra onde quer) e que não depende do humanismo (não confunda com humanitarismo) de certos teólogos, que deveriam ter o título de "humanólogos", afinal estão sempre em oposição à verdade bíblica de I Coríntios 2:14. A glória de Deus está passando e se cruza com o caminho dos homens, mas poucos a abraçam...

Glória ao Pai, Glória ao Filho e Glória ao Espírito Santo!

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
[4] O título deste texto é (por coincidência) parecido com o título do texto do Pr Ciro Zibordi que pode ser encontrado neste link. (Depois que o texto estava pronto, o fato foi percebido por um leitor - Recomendo a leitura do referido texto).

O TEMPO DE ISRAEL E O TEMPO DA IGREJA GENTÍLICA


"Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste! Eis que a vossa casa vai ficar-vos deserta; Porque eu vos digo que desde agora me não vereis mais, até que digais: Bendito o que vem em nome do Senhor" - Mateus 23:37-39

"Dizendo: Ah! se tu conhecesses também, ao menos neste teu dia, o que à tua paz pertence! Mas agora isto está encoberto aos teus olhos. Porque dias virão sobre ti, em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão, e te estreitarão de todos os lados; E te derrubarão, a ti e aos teus filhos que dentro de ti estiverem, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, pois que não conheceste o tempo da tua visitação" - Lucas 19:42-44

1 - Com base na imagem que ilustra este post e nos textos bíblicos acima propostos, aponte as principais semelhanças e as principais diferenças existentes entre o povo de Israel (durante o ministério de Jesus) e a igreja atual, do ponto de vista histórico e profético.

2 - Existe separação entre Israel e a Igreja? (Justifique com base bíblica).

QUAL É O PROBLEMA DA EBD NO EVANGELICALISMO ATUAL?

Por Marco Elias


Muitos ministros do evangelho e irmãos em Cristo de algumas denominações estão falando a respeito dos problemas enfrentados por seus ministérios quanto à EBD e estão preocupados. Quase todas as denominações estão com algum tipo de problema na EBD. Antes de buscarmos uma resposta para a pergunta objeto deste texto, vamos relembrar um pouco do histórico da Escola Bíblica Dominical:

A Escola Dominical moderna surgiu através de uma necessidade social, mas, sobretudo, espiritual. Seus princípios remetem ao período bíblico, tendo em vista que Deus, já no Jardim do Éden, deu instruções claras ao primeiro casal (Gn. 3.8-11). Posteriormente, Deus delegou aos pais a responsabilidade de transmitirem aos filhos a Sua Palavra (Dt. 6.7-9).

Com o passar do tempo, e em decorrência da institucionalização da religião judaica, os sacerdotes também assumiram essa tarefa (Dt. 24.8), e também os profetas (Is. 6.8-10; Jr. 11.1-4). Os reis piedosos reconheciam a valor do ensinamento da lei de Deus, para tanto favoreciam as condições para que a instrução acontecesse (II Cr. 17. 7-9).

O despertamento para a exposição da palavra sempre resultou em despertamento espiritual, tanto na história de Israel quanto da Igreja. Exemplo disso é o grande avivamento judaico após o cativeiro babilônico, nos tempos de Esdras e Neemias (Ne. 8.1-9).

No Novo Testamento, Jesus é o exímio exemplo de ensinador, não por acaso era reconhecido como Rabi, Mestre (Jo. 3.2). Após Sua morte e ressurreição, Jesus comissionou sua igreja a fazer discípulos em todas as nações (Mt. 28.19). Esse é um dos principais objetivos da Escola Dominical, ensinar tudo aquilo que Jesus fez e ensinou (At. 1.1,2).

Mas muitas igrejas, inclusive obreiros, deixam de dar o devido valor à Escola Dominical, colocando-a em segundo plano. A obsessão por um crescimento meramente quantitativo tem distanciado muitas igrejas da visão de discipulado ensinada por Jesus. O descaso com a Escola Dominical pode ser percebida, por exemplo, pela ausência da liderança nas aulas. Antigamente esse era o principal instituto de formação de obreiros.

Os candidatos ao ministério não eram consagrados a menos que fossem alunos assíduos da Escola Dominical. A realidade tem sido cada vez mais modificada, a própria arquitetura das igrejas não considera a Escola Dominical. Existem espaços para as multidões, mas não há salas de aulas preparadas para receber seus alunos. Os professores são escolhidos não pelo esmero para ensinar (Rm. 12.7), mas pela proximidade com algum líder da igreja. São raras as exceções e as denominações em que isto não acontece.

Na verdade, a frequência na Escola Dominical deveria ser um critério para a escolha de pessoas para atuar em todos os trabalhos da igreja. A maioria das igrejas evangélicas não tem ainda uma tradição consolidada no ensinamento bíblico em institutos. Por isso, a Escola Dominical, na maioria dos casos, funciona como o último reduto para a formação de líderes. As Escolas Bíblicas, outrora realizadas por vários dias, são realizadas atualmente em apenas um final de semana, deixando muito a desejar. Sem um ensinamento consistente e sistemático da Bíblia estaremos fadados a uma liderança fraca, levada por qualquer vento de doutrina, que não maneja bem a palavra da verdade (II Tm. 2.15).

OS PROBLEMAS ENCONTRADOS NOS DIVERSOS ARRAIAIS

► Em alguns arraiais o responsável pela EBD não se prepara e leva uma aula "meia-boca" para seus alunos. Este tipo de atitude desestimula os alunos a comparecerem na EBD. Ensinar em uma EBD é tarefa que exige busca ao Senhor por meio da oração e do jejum.

► Outro problema visto em algumas denominações é a falta de compromisso dos ministros com a EBD. Certo cidadão reclamou que parou de ir na EBD, pois encontrou várias vezes a igreja local fechada, por falta de obreiros interessados na EBD e inclusive seu pastor não comparece na EBD.

► Em outros arraiais transformaram a EBD no "show do milhão", com perguntas e respostas e nada de pregação bíblica sobre as carências das igrejas.

► Em outros lugares a EBD virou instrumento do líder eclesiástico, somente ele fala e os outros escutam. O monopólio do púlpito funciona como nos tempos de João Calvino em Genebra.  

► Em algumas denominações a EBD já não supre as necessidades das famílias nas igrejas locais e o crente tem que ir buscar a EBD da outra denominação.

► Em alguns arraiais, o professor da EBD dá mal testemunho perante a comunidade local a qual a igreja pertence.

Estes são alguns dos principais problemas que estão presentes nas denominações, cujos irmãos acompanham o nosso conteúdo na web. Está na hora de agirmos em prol do rebanho de Deus!

Tendo em vista a necessidade de uma EBD que realmente seja eficiente e que supra as necessidades das famílias e demais classes, este blog passará a trabalhar com subsídios para a EBD de algumas denominações evangélicas. Para acessar tal conteúdo, clique no item "EBD" no menu deste site e escolha a denominação.

Este Blog não é denominacionalista, aqui nós nos preocupamos com a saúde da igreja que vai morar no céu. A igreja fiel de Cristo está dentro e fora das denominações e não possui placas e muito menos rótulos, mas Cristo a chama no texto sagrado de "servos fiéis".

Saudações em Cristo!

Sugestão de Leitura
GILBERTO, A. Manual da Escola Dominical. Rio de Janeiro: CPAD, 1999.

NATAL CRISTÃO OU NATAL PAGÃO?


Por Marco Elias


"Mas para vós, os que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça(...) " - Malaquias 4:2
"O povo que andava em trevas, viu uma grande luz, e sobre os que habitavam na região da sombra da morte resplandeceu a luz" - Isaías 9:2
"Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida" - João 8:12

Qualquer Cristão sabe que Jesus não nasceu no dia 25 de dezembro, isto é um fato notável, todavia isto não nos dá o direito de propagarmos as mentiras e as meias-verdades plantadas por militantes ateus, ímpios e lobos irreligiosos contra o cristianismo. A mentira propagada no púlpito é mais feia e tenebrosa do que a mentira propagada na porta de um boteco.

No dia 25 de dezembro na Roma antiga (antes da conversão de Constantino), comemorava-se o "dia do deus sol" ou "die natalis Solis invicti" (o dia do nascimento do sol invencível) que representava para os pagãos a vitória da luz sobre as trevas. Os romanos celebravam o seu deus no período do solstício de inverno no hemisfério Norte, que é no dia 22 de dezembro, quando a inclinação da terra é máxima.

Confessar publicamente a fé cristã em Roma, antes do quarto século (quando surgiu a igreja católica de Constantino) significava receber a pena de morte. Os mais fiéis eram martirizados. A igreja fiel romana vivia às escondidas. Muitos crentes serviam a Cristo clandestinamente ou no anonimato. A iconografia cristã primitiva romana usou sistematicamente temas pagãos para manifestar a sua fé. Era uma maneira de disfarçar a fé cristã quando o risco de perseguição impedia o uso de símbolos cristãos explícitos.


Na imagem acima Jesus é representado sob o disfarce do Sol Invicto (reconhecido pelos sete raios em sua cabeça) conduzindo uma biga. A imagem de Jesus é deduzida pelas folhas de videira que contornam a figura. (Mosaico do século III na Necrópole do Vaticano, sob a Basílica de São Pedro).

Se para os romanos pagãos o "deus sol invencível" rompia com as trevas trazendo luz em um mundo cheio de ignorância e erro, para os cristãos perseguidos de Roma (aqueles que eram jogados aos leões nas arenas) o grande Sol da Justiça, invencível e majestoso era o próprio Senhor Jesus Cristo, cuja glória ofusca o brilho do sol que iluminava as terras de Roma.

Após a conversão do Império romano ao cristianismo, com o imperador Constantino em 313 e Teodósio em 385, a igreja católica romana fixou a data do dia 25 de dezembro para  celebração do Natal, para indicar ao povo cristão que o verdadeiro Deus é Jesus Cristo e não o Sol Invictus até então cultuado. Quem diz que a igreja católica adotou esta data com intenções profanas e espúrias comete os pecados da mentira, da insensatez religiosa e da desonestidade intelectual.


Como a Bíblia Sagrada não menciona a data do nascimento de Cristo, o Natal era celebrado tanto no Oriente quanto no Ocidente, ainda que não em todos os lugares e em um dia que variava notavelmente segundo cada lugar, em um período que ia de 28 de março a 18-25 de abril, de 20 ou 29 de maio a 24 de junho e 17 de novembro e também o 25 de dezembro, no caso dos romanos. Antes do surgimento da igreja católica, o historiador cristão Sextus Julius Africanus em 221 d.C aponta o 25 de dezembro como data de comemoração do nascimento de Cristo. Hipólito de Roma, que viveu entre 170-235 d.C, também citou o 25 de dezembro como data da comemoração do nascimento de Cristo. Torna-se pretensiosa e arrogante a tática de acusar a igreja católica por conta da aceitação da data de 25 de dezembro para celebração do natal. Se a igreja católica não tivesse feito aquilo, hoje certamente teríamos católicos adorando o sol (que pode ser visto e sentido) e acusando os evangélicos de infidelidade. Nos tempos do papa Leão I, muitos católicos ainda adoravam o sol: “É tão estimada essa religião do Sol que alguns cristãos antes de entrarem na Basílica de São Pedro, depois de subirem a escada, se voltam para o Sol e se inclinam em homenagem à estrela brilhante. Estamos angustiados e lamentamos muito por esse fato repetido por uma mentalidade pagã. Os cristãos devem abster-se de qualquer aparência de deferência a esse culto dos deuses” (Papa Leão I, Sétimo sermão realizado no Natal de 460).

O natal de Cristo não tem papai noel, não tem bebedeira, não tem comércio e muito menos tradições de ímpios. A data serve para evangelizar os amigos e reunir a família em torno da salvação que há em Cristo Jesus, o nosso sol da justiça.

Todo dia 25 de Dezembro eu glorifico a Deus porque o verdadeiro sol da justiça nasceu em Israel em alguma data do ano (que eu não sei qual) e até os anjos comemoraram, cantando louvores a Deus. O verdadeiro e invencível Sol da justiça (Rei dos reis e Senhor dos senhores) tomou o seu lugar de destaque na história da humanidade e o "deusinho solar romano" adorado pelos perseguidores do cristianismo foi totalmente esquecido, embora há muitos crentes hoje tentando trazê-lo à memória do povo de Deus em seus discursos de ódio contra o natal!

Glória ao Pai, Glória ao Filho e Glória ao Espírito Santo!


BÍBLIA SAGRADA - Almeida Revista e Corrigida Fiel - 2011.
MIRCEA, Eliade. História das crenças e das ideias religiosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.
McGOWAN, Andrew. How December 25 decame Christmas. Bible Historical Daily. 25 dez 2018.
ROLL, Susan K. Towards the Origins of Christmas. Kok Pharos Publishing House, 1995