APOLOGÉTICA?

Por Marco Elias


"Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus".
Romanos 12:1,2


Como está explícito no texto bíblico, o culto racional depende das ações humanas daqueles que oferecem o referido culto. Quem apresenta o corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus utiliza (obrigatoriamente) a razão humana neste ato de fidelidade a Deus... (A Bíblia Sagrada não mente).

Na Patrística, chamam-se apologistas alguns personagens cristãos que, sobretudo, no século II se dedicaram a escrever apologias ao Cristianismo, usando temas e argumentos filosóficos, que se mostraram compatíveis com a revelação cristã. O objetivo desses escritos não era tanto o de defender o Cristianismo contra certas correntes filosóficas ou contra religiões a ele opostas, mas sobretudo o de convencer o Imperador do direito de existência legal dos cristãos dentro do Império Romano.

Apologética (do latim tardio apologetĭcus, através do grego πολογητικός, por derivação de "apologia", do grego απολογία: "defesa verbal") é a disciplina teológica própria de uma certa religião que se propõe a demonstrar a verdade da própria doutrina, defendendo-a de teses contrárias. Esta palavra deriva-se do deus Grego Apolo. Preferimos o uso da expressão “defesa da fé” em lugar do termo “apologética” por questões etimológicas, sem ter nada contra quem a utiliza, considerando que a maioria das expressões do nosso vocabulário nem sempre possui origem sacra, mas dependemos destes símbolos comunicativos para transmitir informações à nossa sociedade na língua em que ela fala.

O versículo chave para a apologética Cristã é provavelmente 1 Pedro 3:15-16: "antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós, fazendo-o, todavia, com mansidão e temor..." Não há nenhuma desculpa para um Cristão ser completamente incapaz de defender sua fé.

A defesa da fé cristã é algo espiritual, mas também racional e coerente com a Bíblia Sagrada. Esta defesa obedece princípios universais do cristianismo de Cristo (fazendo distinção daquele meramente nominal) e não obedece aos modelos eleitos por grupos religiosos, afinal a palavra de Deus é superior às elucubrações de todos os lideres denominacionais que já pisaram sobre a face da terra separados ou reunidos (se alguém pudesse reuni-los em só lugar, rompendo as barreiras do tempo e do espaço).

Vejamos alguns, dentre os vários textos bíblicos, que denotam o uso da razão humana em equilíbrio com a submissão à palavra para que o crente não seja enganado em sua vida espiritual e faça uma correta defesa da sua fé:

"E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo" - Lucas 10:27

"Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo" - 1 João 4:1


"Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim". Atos 17:11

Há um caminho traçado por Deus... Nele a razão humana está submissa ao Espírito Santo, mas nunca está morta. A palavra de Deus garante a necessidade do uso dela. O culto racional que se oferece a Deus é um exemplo disto (Romanos 12:1). O termo assim traduzido como "racional" implica o uso da razão e vem da palavra grega “logikos”, que significa o uso da lógica e do intelecto do homem. Sabemos que o culto deve ser ordeiro, inteligente, profético, espiritual e sempre de acordo com a bíblia sagrada (e não segundo o modelo de um grupo de servos de Deus bem intencionados). O Espirito Santo não fere a palavra que ELE mesmo inspirou.

Aquele a quem será ofertado o culto conferiu esta inteligência ao homem e ela será usada na adoração, mesmo que o ofertante do culto seja um camponês leigo ou um pregador catedrático! 

Que sejamos sábios em Cristo Jesus! A ELE seja dada toda a glória!

ORAR PELA MADRUGADA É UMA INVENÇÃO DENOMINACIONAL?

Por Marco Elias
  

Recentemente li em um blog cessacionista, cujo autor se intitula um “bereano”, uma matéria cujo teor é um claro ataque aos cristãos ou denominações que oram a Deus pela madrugada. Nas próximas linhas tecerei uma argumentação sobre o assunto com base nas escrituras.

Existem três pontos importantes a serem considerados: 

1 - Dizer que na oração pela madrugada “a fila é menorÉ UMA GRANDE TOLICE, o globo possui diversos fusos horários e Deus não depende disto, a divindade DELE não está presa ao tempo, ao espaço ou aos métodos e modos da nossa humanidade. (Onisciência, onipresença e onipotência). 

2 – Jesus certa vez repreendeu os fariseus do seu tempo por estes não entenderem a sua doutrina: “Hipócritas, sabeis discernir a face da terra e do céu; como não sabeis então discernir este tempo?” - Lucas 12:56. Vivemos um tempo em que o “politicamente correto” toma conta da religião cristã simplesmente nominal, cheia de clichês e desprovida da ação viva do Espirito Santo

3 - Vejamos algumas perguntas, com base na observação daquilo que a bíblia menciona sobre este assunto. Por quais motivos as personagens bíblicas denotam uma forte predisposição a buscarem a Deus pela madrugada e por quais motivos Deus demonstra uma séria disposição a marcar presença na vida das referidas personagens que assim fizeram?

► Abraão saiu a que horas de casa para levar seu filho para oferece-lo em holocausto? Ele voltou amando ou detestando o Deus que ele servia?

► Por quais motivos vemos Abraão e os demais patriarcas envolvidos com a busca fervorosa a Deus nas primeiras horas do dia? (Genesis 19:7 – Genesis 28:18).

► Por quais motivos a Bíblia traz certas ênfases aos horários, principalmente quando narra Deus saindo a operar pela madrugada em favor dos seus servos? (Êxodo 14:24).

► Por quais motivos certas ações de Moisés sobretudo aquelas relacionadas à doutrina de Deus para Israel e a edificação dos altares aconteciam sempre pela madrugada? (Êxodo 24:4).

► O maná caia pela manhã. Por quais motivos ele não caia à tarde? (Na véspera do sábado, por exemplo).

► O salmista estaria errado nos textos do salmo 63:1 e do salmo 90:4?

► Deus mencionaria o assunto em Oseias 5:15, se este tipo de oração e busca a ELE não existisse? (Deus gosta de teatro?)

► A busca a Deus referida em Jó 8:5 estaria equivocada?

► Jesus orava pela manhã, bem cedo. (Marcos 1:35).
► Jesus ressuscitou pela manhã.

Isto não quer dizer nada também? Novamente me vem à mente o texto solene de Lucas 12:56. Ao "bereano" (que disse ser calvinista e reformado) vai aqui um recado (em vídeo) de Hernandes Dias Lopes. O preletor supracitado mostra o segredo do crescimento do evangelho na Coreia do Sul: Crentes que oram pela madrugada. Talvez o blogueiro reformado possa agora entender que a igreja de Cristo sai para evangelizar, ela não vive de "tulipagens" e muito menos daquela modalidade atlética conhecida como "pesca de aquário"...



Os saduceus atuais orgulham-se por não serem fariseus, mas negam as evidências vivas, visíveis e inconfundíveis do poder de Deus. Neste tempo do politicamente correto há muitos crentes bebendo água de enxurrada, como se fosse a água da vida. Eu não confio nos pregadores do politicamente correto, os quais suprimem certas verdades bíblicas, para fazer valer o modus operandi de uma vertente teológica. Tentar colocar Deus em uma caixa quadrada na sala dos argumentos denominacionais (meramente teológicos) é a maior de todas as discrepâncias religiosas que existem. É impossível negar o sinergismo na caminhada cristã, antes disto é preciso que o crente jogue a sua bíblia no mato e adote outro manual de práticas cristãs. 

O resumo de tudo quanto foi dito está neste texto da carta de Paulo aos Coríntios: “As quais também falamos, não com palavras que a sabedoria humana ensina, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais” - 1 Coríntios 2:13

Que Deus nos abençoe!

DESMISTIFICANDO ROMANOS 9


Lendo Romanos 9:3 e Romanos 9:11-13, em qual tempo histórico Esaú serviu a Jacó? A profecia se cumpriu em aspecto individual (Esaú) ou coletivo (nação)? 

A CRUZ, A TEOLOGIA, A FILOSOFIA E OS VELHOS PARADIGMAS RELIGIOSOS DE ALGUNS HOMENS FIÉIS A DEUS


Por Marco Elias


Existem dois tipos de arrogância eclesiástica pairando sobre os homens de Deus nesta última hora, de um lado existem aqueles que exaltam a ignorância e do outro lado existem aqueles que endeusam o intelectualismo. Nestes dois extremos entra em evidência o perigoso pecado da soberba da vida. A vigilância é fundamental para que o cristão não incorra nestes erros diametralmente opostos.

O equilíbrio e a fidelidade à palavra de Deus sempre garantiram aos seus praticantes o crescimento saudável e sustentável quando reunidos como igreja. O equilíbrio é a palavra chave para uma vida cristã saudável (I Coríntios 13:9). Atualmente virou moda atacar a filosofia e a teologia colocando-as em total oposição ao modo de vida santo e separado para Deus. Aqueles que seguem este roteiro ignoram as trajetórias de muitos servos de Cristo que possuem frutos dignos na história do evangelho. Muitos pregadores gostam de repetir aquilo que certos mestres ensinam, sem conferir a veracidade dos fatos. Este tipo de conduta leva qualquer denominação a cair em descrédito perante a sua própria membresia, como também perante a sociedade.

A VELHA QUESTÃO DA TEOLOGIA

Por um lado, é fácil enxergar que a maioria das instituições de ensino teológico da atualidade são (em sua maioria) organizadas por homens descompromissados com Cristo e com o evangelho genuíno, tendo em suas grades curriculares várias disciplinas voltadas para o humanismo e suas aspirações que não transcendem, além de possuírem em seu grupo docente muitos profissionais ateus, ávidos por desviarem seus alunos do caminho genuíno da fé. Dentro das faculdades de teologia existe hoje um ambiente totalmente venenoso e pernicioso à fé cristã.

No aspecto mencionado acima tais lideres eclesiásticos acertam, mas erram onde não deveriam errar. O erro fatal deles é ignorar que ainda é possível encontrar igrejas evangélicas bastante sérias no Brasil, as quais são mantenedoras de seus cursos teológicos, com grade curricular própria, com professores cheios do Espirito Santo, tementes a Deus, zelosos pela Bíblia Sagrada e praticantes dos dons espirituais. Trata-se da chamada teologia confessional. Certo obreiro ficou quebrantado ao assistir uma vídeo-aula marcada pela oração e quebrantamento de outros seminaristas presentes junto ao preletor, onde foi tratado do tema dos avivamentos na história da igreja, o tal irmão colocou-se a orar em seu quarto enquanto assistia a aula, dizendo simplesmente isto: “Senhor os teus servos mentiram para mim, disseram que teologia não presta!”. Este problema poderia ter sido evitado se certos paradigmas rasos fossem substituídos pela verdade.

A VELHA QUESTÃO DA FILOSOFIA

A filosofia é a mãe de todas as ciências humanas. O termo filosofia significa “amor à sabedoria”. A Bíblia Sagrada aconselha o homem a amar a sabedoria e a instrução (Provérbios 29:3). É questão de escolha. Os homens podem amar a louca sabedoria deste mundo ou podem amar a doce e eterna sabedoria de Deus que é dada gratuitamente por ELE (Provérbios 29:3 - Provérbios 4:5-11 - Provérbios 12:1). O livro de provérbios traz em suas páginas a genuína filosofia da família criada segundo o modelo de Deus e um alto padrão de sociedade segundo a concepção judaico-cristã. Não existe na literatura mundial nenhum conjunto de tradições sapienciais que consiga superar o livro de provérbios em termos de instrução moral.

A mesma Bíblia Sagrada que combate as vãs filosofias (Colossenses 2:8) é a mesma que exalta o uso da razão em prol do reino de Deus (Mateus 22:37 - Atos 17:11 - 2 Coríntios 10:5 - I Pedro 3:15). O estudo e a compreensão da filosofia podem ser muito úteis ao cristão que pretende evangelizar certos grupos de pessoas ou povos de outras culturas. Muitos pregadores ignoram que o apóstolo Paulo fez uso da filosofia grega de sua época, para evangelizar seus contemporâneos. Vejamos algumas citações de Paulo diretamente relacionadas com a filosofia grega:

Paulo citou Epimênides em duas passagens: “Porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos” - Atos 17:28 - “Os cretenses são sempre mentirosos, bestas ruins, ventres preguiçosos” - Tito 1:12. O apóstolo citou Menandro, autor de peças teatrais, em As más conversações corrompem os bons costumes” - 1 Coríntios 15:33 - Quando Aristóteles diz que “Contra tal não há lei, pois eles mesmos são a lei”, Paulo concorda quando diz que “Contra estas coisas não há lei” - Gálatas 5:23 e ...”para si mesmos são lei”; Romanos 2:14b - Paulo pregou fazendo uso da conhecida filosofia de Platão: Platão dizia “Se viver é assim, eu digo que morrer é ganho”. Paulo disse “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho”. - Filipenses 1:21 - Platão dizia que “Ser mentalmente carnal era a morte” -  Paulo afirmou “Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção” - Gálatas 6:8 - Platão disse “Mas me é imposta essa obrigação - a palavra de Deus que eu pensei que deveria ser considerada primeiro”. - Paulo falou “Pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!”- 1 Coríntios 9:16. - Alguns conceitos dos ensinamentos de Platão também podem ser vistos em alguns escritos de Paulo. Para aqueles familiarizados com a Alegoria da Caverna, verão que Paulo faz referência em Colossenses 2:16-17, quando diz: “Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados,Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo” - Colossenses 2:16,17

O leitor pode achar estranho e querer buscar os motivos pelos quais o apóstolo Paulo fez uso do discurso filosófico grego em sua pregação, mas ele mesmo se explicou. Paulo era um exemplo de servo de Deus, ele prestava contas de tudo quanto fazia, para não servir de tropeço para ninguém:

“Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais. E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei.Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos.Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele” - 1 Coríntios 9:19-23

Se Paulo estivesse vivo hoje e se ele congregasse em certas denominações brasileiras, seu apostolado seria cassado e ele seria excluído da igreja ou colocado no banco por tempo indeterminado, pelo "uso indevido da filosofia grega" ou talvez seja mais provável  que o apóstolo, que possuía autoridade dada por Deus (e não era bobo) colocasse meia dúzia de ministros no banco!

Torna-se cada vez mais difícil ser um imitador de Paulo (como ele o foi de Cristo) e ao mesmo tempo andar de acordo com o evangelho de alguns mestres religiosos deste século. O melhor conselho para quem não quer errar o alvo é obedecer a Bíblia Sagrada. O evangelho genuíno é inegociável. Levar a cruz não significa carregar os paradigmas ou a mentalidade religiosa de terceiros!!!

Glória ao Pai, Glória ao Filho e Glória ao Espírito Santo!

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
Bíblia Sagrada JFA - Corrigida Fiel 2011 - Sociedade Bíblica Trinitariana.
BIBLE THINGS IN BIBLE WAYS. Paul and his use of greek philosophy.
BIBLEHUB. Pulpit Commentary: Colossians 2
COPAN, Paul; LITWAK, Kenneth. The gospel in the marketplace of ideas: Paul's Mars Hill for Our Pluralistic World. 1 ed. [S.L.]: IVP Academic, 2014. 201 p.
RECLAIMING THE MIND. Paul, the new socrates in athens: paul as philosopher (part III).
http://olharunificado.blogspot.com/2016/11/o-apostolo-paulo-e-seu-uso-da-filosofia.html

A SALVAÇÃO DE DEUS E AS CONJECTURAS FILOSÓFICAS E RELIGIOSAS DOS HOMENS

Por Marco Elias



A salvação do homem não acontece por meio da sua inteligência, da sua racionalidade ou por seus dotes naturais. O único modo pelo qual o homem pode ser salvo é pela graça de Deus, por meio de sua fé em Cristo Jesus.

"Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus" - Efésios 2:8

Um crente analfabeto e cheio de fé genuína em Cristo e um crente intelectual e igualmente cheio de fé genuína em Cristo estão salvos na presença de Deus. A falta de inteligência ou o excesso dela não prejudica a nenhum homem, no que tange a salvação eterna em Cristo Jesus. A salvação não depende do MOBRAL ou da EJA, não precisa da prova do ENEM e não carece de diploma universitário. A alma do analfabeto tem o mesmo valor da alma do intelectual. Deus nunca fez acepção de pessoas. A salvação é um presente glorioso de Deus que está disponibilizado a todos os homens sem exceção (João 3:16-17 - I João 2:2 - 2 Coríntios 5:19-20 - Atos 17:30 - I Timóteo 2:4-5 - Apocalipse 22:17).



Se a salvação não estivesse disponível a todos os homens, sem exceção, eu seria um mentiroso ao sair na rua para evangelizar, pois estaria oferecendo a benção a alguém que eu não teria certeza se Deus realmente quer salvar. Mas mediante os textos supracitados eu posso olhar nos olhos do meu vizinho ateu ou do bêbado que passa na rua e dizer que Cristo morreu para salvá-lo... (Isto é evangelho bíblico genuíno).

"Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo" - 2 Coríntios 11:3

Todo tipo de teoria, filosofia ou conjectura que torna o evangelho difícil e inacessível aos homens não pode ser coisa de Cristo. Refiro-me ao Cristo que escancarou o santo dos santos diante de todos os pecadores, quando o véu do templo foi rasgado de cima para baixo...

Este é o evangelho que eu prego... 

HERESIAS CORINTIANAS


Por Marco Elias

Ruínas da antiga cidade de Corinto

A igreja de Corinto apesar de possuir todos os dons espirituais (I Coríntios 12), foi chamada de "carnal" pelo apóstolo Paulo (I Coríntios 3:3), após a invenção do denominacionalismo que dividia o corpo de Cristo naquela igreja local, além de colocar os ministérios de dois servos de Cristo acima da honra permitida por Deus aos seus obreiros (I Coríntios 3:4-5). Paulo também denunciou as heresias que existiam naquela igreja e até apontou a serventia de tais erros no meio do povo de Deus (I Coríntios 11:19).

Com a igreja de Corinto aprendemos que enquanto Deus executa a sua obra gloriosa, os remidos pela graça continuam sendo homens (pecadores e mortais), portanto carecem de vigilância e santificação. Se alguém optar por obedecer os "seguidores de Paulo" ou os "seguidores de Apolo" terão apenas uma boa religião, o compromisso daquele que vai julgar os vivos e os mortos é com aqueles que obedecem o seu evangelho eterno escrito na Bíblia Sagrada. Desde o dia em que o véu do templo se rasgou o evangelho está valendo...

ELE jurou pelo seu próprio NOME e assim será!!! (Mateus 24:35).

MARANATA!!!

Glória ao Pai, Glória ao Filho e Glória ao Espírito Santo!