QUEM É A MERETRIZ CHAMADA DE ‘BABILÔNIA’ EM APOCALIPSE 17?

Por Marco Sousa


E na sua testa estava escrito o nome: Mistério, a grande babilônia, a mãe das prostituições e abominações da terra” - Apocalipse 17:5


Alguns pregadores evangélicos afirmam que a Babilônia do texto de Apocalipse 17 seria a igreja católica, outros pregadores afirmam que seria a cidade antiga de Roma e outros afirmam que seria a cidade de Jerusalém desobediente a Deus (vide nota 1) e outros afirmam que se trata de um mistério que somente será desvendado por ocasião da aparição do anticristo (vide nota 2). Provavelmente o leitor esteja formulando as seguintes indagações: Qual destes grupos estaria correto? É possível definir a identidade da referida Babilônia?


Primeiro precisamos ter em mente que o uso do termo babilônia na Bíblia Sagrada está sempre ligado ao modo de vida dos inimigos do povo de Deus, bem como à oposição clara e aberta contra Deus, em todas as esferas da sociedade. É também uma referência direta ao modo de vida profano inaugurado por aquela antiga civilização da Suméria (a própria Babilônia), que foi edificada sob as bases do pecado e da rebelião contra Deus.  A famosa torre de Babel ali edificada foi um símbolo da loucura e da rebeldia desenfreada do homem contra o seu criador, quando os sumérios resolveram eternizar a sua civilização divorciada dos valores morais e éticos estabelecidos por Deus na criação. Segundo a tradição judaica e escritos paralelos ao texto sagrado, a edificação da torre alta proporcionaria acesso livre ao céu e vingança contra Deus, em caso de um novo dilúvio. Deus mudou a língua deles e os espalhou sobre a face da terra.


O fato da meretriz (também chamada de Babilônia) ser mencionada como um "mistério" significa que não podemos estar completamente certos quanto a sua real identidade. No passado os crentes identificavam a referida "Babilônia" como a cidade de Roma, a capital do império romano, afinal além de perseguir e matar os cristãos, toda sorte de abominação era praticada em Roma (Apocalipse 17:6). Paulo, em sua carta aos romanos fala dos vícios e das abominações daquela sociedade (Romanos 1:22-32), os quais são também retratados nas atuais produções cinematográficas sobre o império romano. O apóstolo Pedro também parece sugerir que Roma era vista pelos crentes como uma grande babilônia (I Pedro 5:13).


Não existe um consenso entre os estudiosos piedosos do cristianismo sobre a real identidade da Babilônia (a meretriz), mas uma coisa podemos afirmar categoricamente, com base em Apocalipse 17:6: Todas as abominações praticadas no mundo, nas religiões, na igreja católica, nas igrejas evangélicas, na Roma antiga ou em Jerusalém são (todas elas) filhas da grande Babilônia. Isto explicaria a percepção dos diversos grupos de pregadores acima citados, isto é, o "espírito da Babilônia" (modus operandi do homem rebelde, divorciado do criador) estava atuando nos lugares apontados pelos referidos pregadores em determinados momentos da história, do mesmo modo que ele atuou na antiga Babilônia.


Na segunda metade do século XIX, certo grupo evangélico americano, (extremamente exclusivista) passou a defender a tese de que eles mesmos seriam a única igreja fiel de Deus, o chamado “remanescente fiel”. Passaram a pregar que o papa seria o anticristo e que a marca da besta seria a guarda do domingo. O referido grupo passou a defender que a Babilônia do Apocalipse 17 seria a igreja católica, baseados no texto isolado de Apocalipse 17:9, que diz o seguinte “Aqui está o sentido, que tem sabedoria. As sete cabeças são SETE COLINAS SOBRE AS QUAIS A MULHER ESTÁ ASSENTADA” - Realmente a Igreja católica apostólica romana teve a sua origem em Roma, a cidade edificada entre as famosas sete colinas:  Viminal, Quirinal, Aventino, Célio, Esquilino, Capitólio e Palatino. Trata-se de uma bela teoria, todavia ela está completamente equivocada e falaremos disto adiante.


O grupo religioso supracitado passou a pregar também que as outras igrejas evangélicas seriam as filhas da grande prostituta, baseados no versículo 5 do capitulo 17 de Apocalipse, isolado do contexto geral do livro e da história do povo de Deus: “E na sua testa estava escrito o nome: Mistério, a grande babilônia, a mãe das prostituições e abominações da terra” - Apocalipse 17:5


OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA TEORIA QUE ACUSA A ICAR


1 - O Estado do Vaticano foi criado em 1929, com a assinatura de um acordo entre a Santa Sé e o premiê italiano Benito Mussolini. O governo fascista italiano indenizou o Vaticano em 1,75 bilhão de liras pelas terras tomadas durante a unificação italiana, em 1870. O estado do Vaticano foi então construído fora dos limites das sete colinas da antiga cidade de Roma, mas os defensores daquela teoria antiga (do século XIX) continuam ignorando isto e fazendo malabarismos geográficos. Deus não trabalha com meias verdades.  Cabe ainda mencionar que o versículo de Apocalipse 17:10 explica que os sete montes representam sete reis com seus respectivos reinos, cinco dos quais já não existiam e um era atual quando o livro do apocalipse foi escrito (e a igreja católica ainda não existia) e outro reino ainda estava por vir. Assim a meretriz está conectada com sete diferentes impérios mundiais, um dos quais é ainda futuro. Além dos fatos supracitados, a cidade de Jerusalém também recebia o título de Cidade das sete colinas, tal qual Roma (vide nota 1).


2 - Apesar do fato da igreja medieval ter se manchado com o sangue dos santos, tendo implementado a idolatria no culto e vários outros tipos de abominações e orgias espirituais, típicas da idade média, ela não pode ser chamada de mãe de todas as abominações que acontecem na terra, (o cristão fiel a Deus, deve praticar também a honestidade intelectual) afinal certos tipos de abominações sempre existiram muito antes do surgimento da igreja católica e são até a atualidade repudiados por ela, todavia entendemos que as abominações praticadas dentro da igreja medieval romana eram filhas da mesma mãe que pariu algumas abominações presentes em algumas igrejas evangélicas do século XXI. Cabe mencionar que algumas igrejas evangélicas americanas, europeias e brasileiras aderiram ao modelo denunciado pelo apóstolo Paulo em sua carta à igreja de Roma (Romanos 1:22-32) - (vide nota 3). Até a data atual o Vaticano e a igreja católica seguem honrando a pregação do apóstolo Paulo e vedando por completo aquele comportamento típico da antiga cidade dos imperadores romanos (vide nota 4).


3 - Outro problema é a constatação histórica de que o modelo de hierarquia eclesiástica praticado por vários grupos evangélicos foi importado da igreja católica para dentro das igrejas protestantes. Há grupos evangélicos cujo modelo de culto é quase um plágio do culto católico. Algumas denominações possuem juramento de ordenação sacerdotal com voto de fidelidade iguais àqueles praticados pela igreja católica (o ministro empossado jura fidelidade ao alto clero denominacional ao invés de jurar fidelidade a Cristo), outros grupos evangélicos praticam o pedobatismo (batismo infantil) que também foi importado da igreja católica. Outros grupos possuem uma comissão disciplinar que funciona de modo semelhante ao tribunal europeu da santa inquisição na idade média. Cabe mencionar que a disciplina na igreja é um ato bíblico e possui limites definidos pela própria escritura; a ultrapassagem destes limites acaba criando no ambiente eclesiástico algo que somente existiu na igreja da idade média. Outros grupos religiosos tratam o dinheiro do dízimo, sem o mínimo de transparência, enquanto outros, além da falta de transparência vendem indulgências, de forma bastante semelhante à igreja católica de Tetzel, pouco antes da reforma protestante. Este tipo de atitude acaba obrigando os fiéis a doarem a sua contribuição a outros grupos cristãos, em locais mais transparentes.


4 - A honestidade intelectual deve ser uma das premissas do pregador da palavra de Deus - Assim, cremos que afirmar que a igreja católica é a grande meretriz do Apocalipse implica em ter que admitir que as igrejas evangélicas que herdaram ou plagiaram partes do modus operandi da igreja romana são, por consequência lógica, as filhas, as netas e as bisnetas da grande meretriz (para sermos honestos e coerentes com a história). Seguindo a lógica real dos fatos, a situação tende a piorar um pouco entre os grupos exclusivistas (aqueles que acusam seus pares de serem as filhas da meretriz), pois acabam pleiteando para si (ainda que de forma inconsciente) o lugar de “filha mais parecida com a mãe”, quando se sabe que a igreja católica é declaradamente exclusivista (inclusive em seus documentos oficiais) e se coloca como a única igreja fiel a Deus na face da terra. Afirmar que uma instituição religiosa é o unico meio de acesso do homem a Deus é usurpar o papel de único mediador entre Deus e os homens, o qual pertence somente a Cristo e jamais será dado a quaisquer homens nesta terra. Há grupos evangélicos que copiaram este exclusivismo religioso em sua liturgia, não adoram imagens e não veneram a virgem Maria, mas possuem profunda veneração pela placa denominacional e geralmente possuem uma espécie de chefe eclesiástico, cujo poder sobre as ovelhas e sacerdotes subalternos ultrapassa os limites definidos como regra na Bíblia Sagrada. Este tipo de poder eclesiástico só tem igual na pessoa do papa da igreja católica.


5 - A igreja católica fez uso da violência contra aqueles que o alto clero romanista inseriu na lista dos "hereges", mas a igreja protestante europeia também cometeu violência contra outros grupos protestantes que seus líderes passaram a chamar de "hereges". Os luteranos e os calvinistas eram especialistas em matar seus opositores. Esta prática eles copiaram da igreja católica romana, do mesmo modo que uma filha se apropria dos métodos culinários da mãe.


QUEM É A MERETRIZ APOCALIPTICA AFINAL?


Não sabemos quem ou o que é a grande meretriz apocalíptica, mas sabemos qual será o seu comportamento e os seus métodos de oposição contra Deus e contra os valores naturais e morais instituídos na criação do mundo. A grande meretriz procurará deturpar estes valores, atropelando-os e substituindo-os, ainda que para isto seja necessário matar os servos de Cristo. A ideologia comunista (por exemplo) tem sido uma destas filhas da grande meretriz que edificou a Torre de Babel (vide relato bíblico de Gênesis) e que se levantará nestes últimos dias da história da igreja para fortalecer o braço do anticristo. Vejam na história quantos milhares de igrejas o comunismo fechou ou destruiu e o número de servos de Cristo que foram queimados ao lado de suas bíblias e tirem as suas conclusões. Obviamente ao chegar neste parágrafo, o caro leitor já deve ter se lembrado da perseguição religiosa aos cristãos em vários países, por ideologias que são igualmente filhas da grande meretriz.


A cristandade hoje perde o foco da história cristã facilmente, por mirar as invenções piedosas de líderes religiosos equivocados, os quais passam a pregar aquilo que contradiz a própria Bíblia Sagrada na ansia de fortalecer seu próprio posicionamento e legitimar o núcleo do movimento religioso ao qual pertencem, ao passo que pisam no ensino claro e inequívoco do próprio Cristo neste processo. Um exemplo disto é a conhecida parábola do joio e do trigo, na qual muitos ministros evangélicos (de diferentes denominações) pregam que a lavoura de Deus seria a igreja e o trigo e o joio seriam os crentes fiéis e os crentes infiéis dentro da mesma congregação; Quando lemos a explicação dada pelo próprio Senhor Jesus, percebemos que ela derruba por completo este entendimento, ao esclarecer que o campo é o mundo e que satanás também é um tipo de semeador. Neste ponto as coisas se complicam mais, afinal quando o pregador define que a igreja é o campo, terá que admitir também que satanás anda semeando dentro dela. Obviamente não é isto que o texto diz: “E ele, respondendo, disse-lhes: O que semeia a boa semente, é o Filho do homem; O campo é o mundo; e a boa semente são os filhos do reino; e o joio são os filhos do maligno; O inimigo, que o semeou, é o diabo; e a ceifa é o fim do mundo; e os ceifeiros são os anjos” - Mateus 13:37-39 - De modo semelhante muitos pregadores carnais brigam entre si para saber quem “tem a bíblia maior”, enquanto isto os verdadeiros inimigos do evangelho (as ideologias filhas da meretriz babilônica) vão avançando e dominando a sociedade.


Cabe mencionar que a igreja católica (apesar de suas graves falhas) juntamente com a igreja evangélica (apesar de suas graves falhas) ainda constituem um muro de paredes duplas que seguram o avanço do hedonismo e do materialismo podre em nossa sociedade ocidental. Infelizmente este muro de contenção está prestes a ruir, por falta do ensino claro e aberto da palavra de Deus.


Cremos que por ocasião da manifestação do anticristo, a grande babilônia será implementada em algum lugar do planeta, sob o comando se satanás. Como o texto bíblico afirma que isto é um mistério, não ousaremos avançar onde Deus não nos permitiu avançar. O nosso interesse é tão somente propagarmos o evangelho de Jesus Cristo com fidelidade e jamais angariar seguidores de especulações escatológicas. Assim cremos que apenas o tempo fará com que os crentes em Jesus entendam o sentido real do texto bíblico, isto se dará quando se fizer necessário. Note a resposta dada por Cristo aos seus discípulos, quando eles quiseram descortinar certos segredos que pertencem somente a Deus:(Vide Atos 1:7).


Mas como o povo de Deus saberá daquilo que precisa saber, quando for o momento adequado? A Bíblia Sagrada responde: “E vós tendes a unção do Santo, e sabeis todas as coisas” - 1 João 2:20. A igreja de Cristo sabe de tudo quanto precisa saber...


Glória ao Pai, Glória ao Filho e Glória ao Espirito Santo!


NOTAS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 


Nota 1 - Nota explicativa -  Há grupos evangélicos que defendem que a grande Babilônia seria a cidade de Jerusalém, baseados principalmente no fato de que aquela cidade foi conhecida no passado como “Cidade das Sete Colinas”, por coincidência o mesmo título recebido pela cidade de Roma. Jerusalém é citada nesta condição pelos rabinos antigos: “Jerusalém está situada sobre sete colinas” (A Book of Legends, editado por Bialik e Ravnitzky, página 371, parágrafo 111, rabino Eliezer na oitava narrativa midrashic seção X). As sete colinas de Jerusalém são: 1- Sião: separado do Moriá pelo vale Tiropeon;  2 - Moriá: Também chamado de Sião, onde se construiu o templo, é separado do antigo monte Sião pelo vale de Tiropeon; 3, 4, 5 - Monte das Oliveiras são três PICOS: (Scopus – Nob – Monte das ofensas); 6 - Ofel; 7 - A rocha: Onde foi construída a fortaleza “ANTÓNIA”. - “Como Jerusalém está toda cercada de montanhas, assim o Senhor envolve seu povo, agora e sempre” (Salmo 124, 2). Os textos a seguir também são utilizados como base para a argumentação entre os defensores da teoria que advoga que Jerusalém seria a grande meretriz: (Apocalipse 18:24 - Apocalipse 17:6 - Lucas 13:34 – Lucas 13:33 -  Apocalipse 11:8).


Nota 2 - Quem ou o que é a meretriz da Babilônia/mistério da Babilônia? - ► Confira Aqui:

https://www.gotquestions.org/Portugues/meretriz-da-Babilonia.html


Nota 3 - No ano de 2015, mais de 34 mil igrejas americanas romperam as relações eclesiásticas com a Igreja Presbiteriana Americana, após a referida denominação descartar o texto bíblico e aprovar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. - ► Confira Aqui:

https://archive.is/carY8


Nota 4 - Confira no link abaixo o Compendio da Doutrina Social da Igreja Católica - Ano 2004 - (As doutrinas estão em vigor na atualidade). O leitor deve atentar também para o artigo 224 do documento, o qual se declara absolutamente contrário à ideologia de gênero que já corroía as bases da sociedade europeia no início do milênio e deve reparar que o documento faz oposição clara e aberta contra as ideologias que procuram destruir os valores da sociedade ocidental. - ► Confira Aqui:

https://www.vatican.va/roman_curia/pontifical_councils/justpeace/documents/rc_pc_justpeace_doc_20060526_compendio-dott-soc_po.html

2 comentários:

Política de Moderação dos Comentários:

1 - A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Comentários com conteúdo ofensivo não serão publicados, pois debatemos idéias e não pessoas ou instituições. Discordar não é problema, visto que na maioria das vezes redunda em edificação e aprendizado. Contudo, discorde com educação e respeito.

2 - A aprovação de seu comentário seguirá os nossos critérios. O Grupo Doutrina Fiel tem por objetivo a edificação e instrução de seus leitores. Comentários que não seguirem as regras acima e estiverem fora do contexto do blog, não serão publicados.